terça-feira, 3 de maio de 2016

Evento Romance de Época editora Arqueiro


Oi pessoal, tudo bem com vocês?

Olha quem voltou!!! Sei que andei sumida por duas semanas, acho que nunca fiquei tanto tempo sem postar nada aqui o blog. Começou com a prova de estatística, fiquei dias estudando, sem muito tempo para leituras, sem falar dos trabalhos da facul. Nessa junção de coisas, comecei a ler um livro que ainda não me fisgou, e agora iniciei outro para ver se eu saio da ressaca.

Muito frio aí na cidade de vocês?? Aqui onde moro no RS, tem feito dias muito frios (5º graus), mas esta semana até que está bem agradável, está amanhecendo em torno dos 10º graus e durante o dia vai subindo a temperatura até os 20º graus. Tá bom né? O ruim desse tempo é que eu fico muito atacada da rinite, e isso é um saco. Mas agora já estou bem :)


Hoje eu venho comentar com vocês sobre um encontro que eu amo participar, realizada pela editora Arqueiro, que é o Evento Romance de época.




Quem acompanha aqui o blog sabe que eu amooo romances de época, e a Editora Arqueiro é uma das Editoras que mais está publicando livros deste gênero no momento, e são livros ótimos. Essa já é a terceira vez que participo do encontro e é bom de mais. Quem organiza e realiza o Evento aqui em POA é a Patrícia.

O que eu acho muito legal neste evento é que ele aconteceu em vários estados e no mesmo fim de semana. Eu acompanhei tudinho pelas redes sociais. Muito legal ver como tem leitoras que amam esse tipo de livro, assim como eu.


Falando no evento, a Paty sempre capricha na realização do evento. Ela comenta sobre os livros publicados, sobre os novos lançamentos e novidades. O que é muito bom é a interação das leitoras no encontro. Todas nos sentimos a vontade para falar sobre, dar a nossa opinião, comentar, e é um momento único, muito divertido.

Um dos momentos mais esperados é o dos sorteios!! Todas querem os livros, marcadores. Eu como sou pé frio, não ganhei. Mas tive sorte de ganhar uns mimos super fofos feitos pela Paty. (Caderninhos estilizados, chaveiros e aromatizantes).

(Foto: Patrícia)


O evento foi muito bom, e me deixou mais curiosa pelos lançamentos que estão por vir, dentre eles um lançamento de maio, a nova série "As Modistas" da autora Loretta Chase. 



Espero que vocês tenham curtido!!



terça-feira, 19 de abril de 2016

Resenha: Caminho das Sombras


Oi meus queridos, tudo bem?

Hoje eu venho com uma dica de leitura, para que gosta de fantasia. Livro publicado pela 
Editora Arqueiro.


Caminho das Sombras
Anjo da noite #1
Caminho das Sombras
Sinopse
Para Durzo Blint, matar é uma arte... e ele é o artista mais talentoso da cidade. Temido por muitos, Durzo é uma lenda viva com as mãos manchadas de sangue e nenhuma culpa pelas vítimas que deixa pelo caminho.
Esse mundo sombrio também não é novidade para o jovem Azoth. Sobrevivendo entre becos sujos, ele aprendeu que a esperança é uma piada. Pelas regras das guildas, crianças são agredidas e surradas todos os dias.
Tentar contestar essa realidade seria um risco alto demais. Mas quando a morte se torna questão de tempo para ele e seus amigos, Azoth se vê forçado a vencer o medo e agarrar a chance de virar um derramador, um assassino. Ele precisa se tornar discípulo de Durzo Blint.
Para ser aceito, o garoto abandona sua antiga vida e abraça uma nova identidade. Ao se tornar Kylar Stern, ele aprenderá a transitar no mundo dos nobres, sobreviver às magias de seus inimigos e cultivar uma amizade muito especial: a da escuridão.


Nesta história acompanhamos a vida do jovem Azoth, ele vive na cidade de Cenaria, com seus amigos Jarl e Menina-Boneca. Eles fazem parte de uma das guildas de ladrões que atuam nas tocas da cidade. Esses guildas são grupos de ladrões, que organizam roubos na cidade.

A vida deles não é muito fácil, sobrevivem entre os becos sujos, mas o pior são as agressões que as crianças sofrem todos os dias, e muitas crianças acabam morrendo.

Como se não bastasse para piorar, o líder da guilda está morrendo, e quem irá assumir a chefia é um cara malvado, o Rato. Mas Azoth é corajoso, e ele tem a brilhante ideia, como forma de se proteger, e ajudar seus amigos, de se tornar um assassino. Para isso ele terá que encontrar o Durzo Blint, um assassino com poderes mágicos, e assim se tornar um aprendiz.
Ao se tornar aprendiz de Durzo, Azoth terá que abandonar sua vida e assumir uma nova identidade, passando a se chamar Kylar Stern.

A partir deste momento a história vai ficando cada vez mais instigante e curiosa, pois iremos acompanhar os treinamentos do Kylar, e olha que não são treinamentos só de luta para matar, mas também muita leitura, questões de sobrevivência, e até lições de etiquetas, entre outros.

Gostei muito do enredo da história, de como o autor conduziu o desenvolvimento, a construção dos personagens e claro, toda fantasia e magia que permeia a história. Vale comentar aqui que o livro contém outros personagens importantes e secundários que dão todo sentido na história, que eu acabei não sitando aqui.

Este livro é daqueles que começamos a leitura e aos poucos vamos conhecendo os personagens, conhecendo o enredo e mergulhando na história e quando vemos, não paramos de ler para saber o que irá acontecer de fato com o protagonista. A história também é cheia de reviravoltas e muitas vezes acaba nos surpreendendo.

Sem dúvida nenhuma eu indico essa leitura para todos aqueles curtem um bom livro de fantasia.
Eu já estou curiosa para ler os próximos livros da triologia!!





Resultado de imagem para duologia tensão




sexta-feira, 15 de abril de 2016

Resenha: Os dois mundos de Astrid Jones


Oi pessoal!! Tudo bem com vocês?

Essa semana foi muito produtiva falando de leituras. Consegui concluir três livros, sendo que dois eu já havia começado a ler em outro momento e por algum motivo eu interrompi a leitura. 

Este livro que vou comentar hoje eu iniciei a leitura no Natal do ano passado (2016), acho que não era o momento, pois esta semana eu retomei a leitura e a conclui em algumas horas :O 


Os dois mundos de Astrid Jones
A. S. Kin

Os Dois Mundos de Astrid Jones
Sinopse
“O movimento é impossível.” É o que Astrid Jones, 17 anos, aprendeu na sua aula de filosofia. E, vivendo na pequena cidade em que mora, ela começa a acreditar que isso é mesmo verdade. São sempre as mesmas pessoas, as mesmas fofocas, a mesma visão de mundo limitada, como se estivessem todos presos em uma caverna, nunca enxergando nada além.
Nesse ambiente, ela não tem com quem desabafar suas angústias, e por isso deita-se em seu jardim, olha os aviões no céu, e expõe suas dúvidas mais secretas aos passageiros, já que eles nunca irão julgá-la. Em seu conflito solitário, ela se vê dividida entre dois mundos: um em que é livre para ser quem é de verdade e dar vazão ao que vai em seu íntimo, e outro em que precisa se enquadrar desconfortavelmente em convenções sociais.
Em um retrato original de uma garota que luta para se libertar de definições ultrapassadas, este livro leva os leitores a questionarem tudo e oferece esperança para aqueles que nunca deixarão de buscar o significado do amor verdadeiro.




Quando este livro foi lançado vi muitos leitores falando super bem dele. Eu não sabia do contexto do livro, mas via muitas pessoas indicando a leitura e minha curiosidade só aumentava, até que resolvi comprar o livro.

Como falei antes, eu iniciei a leitura em dezembro do ano passado e acabei interrompendo a leitura. Não estava conseguindo me conectar com a história, estava achando tudo meio confuso, e de certa forma a protagonista estava confusa também, e acho que foi isso que acabou me deixando enrolada e não me envolvia com a história e resolvi parar de ler.

Esta semana eu retomei a leitura, eu estava na página 42, e li freneticamente até acabar. Confesso que não achei a história tudo isso que ouvi os blogueiros falando, mas é uma história fofa. 

Astrid Jones é uma adolescente de 17 anos, que está bem naquela fase de descobertas. Por não ter pessoas confiáveis para desabafar seus problemas, ela tem o costume de deitar em seu jardim e olhar os aviões que passam no céu, e assim ela conversa, desabafa com os passageiros que ela inventa na sua cabeça, e que nunca irão julga-la.

A Astrid tem um segredo que ela quer contar, mas na verdade ela ainda não tem certeza do que sente, do que ela é, de como lidar com isso. Astrid  é gay e tem uma namorada. Mas muitas perguntas passam pela sua cabeça. Aos poucos ela começa reconhecer o que sente, mas como ela vai contar isso para sua família e amigos.

O mais difícil nisto tudo é ela mesma se aceitar como é, reconhecer e se aceitar. Acompanhamos todas as suas descobertas e sentimentos, e de como é difícil chegar a decisão de se revelar e sair do armário. Ainda mais morando em uma cidade pequena, onde todos se conhecem, e pior são preconceituosos. 

O que mais me incomodou na história foram as atitudes da protagonista, não simpatizei muito com ela, achei ela um tanto infantil para sua idade, e outra que ela se deixa levar pelos amigos, e acaba fazendo coisas que não gostaria.

A história trouxe muito presente a questão do preconceito, por parte de todos. Chega a ser triste de acompanhar o que Astrid passa ao longo da história. Mas apesar de tudo, ela é uma garota forte e enfrenta tudo de frente.

O que mais me chamou atenção na história foi a relação de Astrid com sua mãe Claire. É como se ela não fosse filha, ela é ignorada de uma forma que dói. Astrid tem uma irmã, a Ellis, que também não se relacionam muito bem. O mais interessante é que Claire e Ellis toda semana elas escolhem uma noite pra fazerem a noite de "mamãe e filha" e somente as duas saem e jantam fora, e Astrid é excluída desses momentos. Fiquei me perguntando porquê??

No decorrer da história a namorada de Astrid começa a pressioná-la para que conte tudo aos seus pais e se liberte, assim como ela. Mas Astrid não tem certeza de nada, e o pior é ficar ouvindo sua família fazendo piadinhas sobre gays. Como lidar com isso? Como contar a verdade diante de uma realidade dessas? E pra completar o turbilhão de acontecimentos ela está saindo com um garoto contra sua vontade. Complicado né? Como reverter toda essa situação? Como se libertar e ser você mesma?

Curti a história, a escrita da autora é fluída e envolvente, mas não foi tudo que eu esperava. O final foi ok, mas achei que poderia ter sido melhor...

Como vocês puderam perceber o livro fala de relações familiares, descobertas, superação, conflitos pessoais, sexualidade, preconceito e de amor.